Elizabeth Stephens - Série Xiveri Mates 01

em quinta-feira, 2 de julho de 2020




Miari: 

Aqui está o que eu sei: alienígenas invadem nossa colônia a cada três anos, caçam e reivindicam a mais bela de nossas mulheres e depois partem. Aqui está o que eu não sei: por que o rei deles está aqui neste momento e por que seus olhos negros e brilhantes estão fixo em mim. Uma híbrida com pele alienígena vermelha e olhos humanos castanhos, eu não sou bonita. Não tenho família nem planos de ter uma - muito menos com esse macho monstro. Eu sou uma inventora, um mecânica, uma funileira. O rei alienígena me quer por razões que apenas posso adivinhar, mas não vou ser levada como escrava, e sua resposta para mim é algo que sei que posso projetar para fugir. Ele planeja voltar para mim quando eu tiver mais idade, mas terá que me encontrar primeiro. Nossa pequena colônia é um lugar assustador e desesperado e tenho menos medo de enfrentar do que enfrentá-lo ou as estranhas sensações alienígenas que ele desperta ... 

 Raku: 

Ela é minha companheira Xiveri, mas foge de mim - direto para os horrores de sua pequena e selvagem colônia lunar. Abater em sua defesa é fácil, enquanto ganhar sua confiança será o verdadeiro desafio. Ela teme minha espécie e os horrores que meu general traiçoeiro infligiu a seus humanos. Ela não sabe que é meu rito de sangue mantê-la segura contra ele e seus aliados ainda mais perigosos fora do mundo? Não, ela se considera minha escrava e, no lugar da aceitação, me oferece apenas pactos e pechinchas. Envergonhado por seus pactos, ainda os tomo com voracidade, porque, embora ela conheça apenas o ódio, eu sinto apenas a necessidade. Eventualmente, precisaremos de mais do que apenas esses pactos entre nós, se quiser convencê-la de que ela é minha companheira Xiveri e se ela deve tomar seu lugar ao meu lado, não como minha escrava, mas como a rainha de Voraxia.




Kiki:

 Não há como deixar esse alienígena que me chama de companheira Xiveri me reivindicar como dele. Ele pode dizer as coisas certas e despertar emoções em mim. Nunca esperei sentir novamente por nenhum homem, mas sua espécie já me tirou muito do que é. Presa agora em seu planeta duro e consumido pela neve, esperando para ser caçada, sem meios de escapar, farei a única coisa que puder. A única coisa pela qual venho treinando desde que os alienígenas chegaram pela primeira vez à colônia humana da lua para nos machucar. Eu vou lutar! 

 Va’Raku:

 Nobu nunca viu uma rainha antes capaz de manejar espada e cajado, punho e língua. Uma rainha guerreira e minha para reivindicar. Mas quando o ódio dela coloca toda a vila em risco, finalmente entendo a procedência de sua dor. Enquanto ela é a única pessoa que pode desvendá-lo, eu posso ensinar-lhe controle, aceitação, liberação. Mas primeiro vou precisar da confiança dela. E só então podemos lutar juntos contra nosso inimigo em comum e colocá-lo de joelhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário